Em 2017, mais de 15 mil carros foram blindados no Brasil

Insegurança e crescimento da violência urbana fizeram com que brasileiros buscassem a proteção

Por Mário 19/04/2018 - 20:06 hs

Mesmo com o período de instabilidade econômica vivido no Brasil, em
2017, 15.145 veículos foram blindados no país. Para a Associação
Brasileira de Blindagem (Abrablin), a sensação de insegurança somada ao
crescimento da violência urbana em todas as regiões foram os motivos que
levaram as pessoas a buscar essa alternativa de proteção.

O número foi pouco abaixo de 2016, quando 18.865 veículos foram
blindados. Na visão do presidente da entidade, Marcelo Christiansen, “se
por um lado, a crise trouxe como consequência natural a redução no
segmento, por outro, ela não foi acentuada justamente porque a
instabilidade por vezes vem acompanhada de períodos mais violentos,
mantendo a demanda pela proteção”. Atualmente, a frota total estimada no
país é de quase 198 mil veículos blindados.

De acordo com o levantamento da Abrablin, no ranking de blindagem o
estado de São Paulo lidera, concentrando quase 74% da produção. Rio de
Janeiro ocupa a segunda posição, com 8,45%. Os estados de Pernambuco
(3,3%); Rio Grande do Sul (2,65%); e Ceará (2,4%) compõem a lista dos
cinco estados que mais blindaram. Os 9,2% restantes são distribuídos
pelos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Pará, Goiás e
Paraná, além de outros que apresentaram menor demanda.

“Esse dado revela que apesar de boa parte se concentrar no estado
paulista, a sensação de insegurança é geral, fazendo com que pessoas das
regiões Sul e Nordeste também buscassem formas de proteção”, detalha
Christiansen.

Perfil do usuário

Em 2017, os homens representaram 57% do total de usuários, sendo grande
parte (40%) formada pela faixa etária de 50 a 59 anos. Já nas mulheres,
que representam 43% do universo da blindagem automotiva, a maioria está
na faixa que compreende entre 40 e 49 anos. Com relação à ocupação, 67%
dos usuários de blindagem são executivos/empresários; 14% políticos; 9%
juízes; 8% artistas/cantores; e 2% outras ocupações.

Em 2017, ainda de acordo com a pesquisa da Abrablin, o Corolla, da
Toyota, foi o veículo mais blindado. O Compass, da Jeep, foi o segundo,
seguido pelo XC-60, da Volvo; X1, da BMW; e Discovery, da Landrover.

A blindagem de nível III-A, que resiste aos disparos de submetralhadoras
(pistolas) 9mm e revólveres .44 Magnum, foi a mais praticada no mercado.
O valor médio para esse tipo de proteção é de R$ 53.600,00.

Para 2018, com a retomada do crescimento econômico, a associação estima

que a produção de blindados no país aumente cerca de 25%.